Energia solar e projetos de arquitetura

Há alguns anos, soluções solares eram um assunto concentrado em nichos, como engenharia de energia e tecnologia. Felizmente, nos anos mais recente, o avanço do mercado, o crescimento da importância e da pressão do uso de fontes de energia sustentáveis e a facilitação do acesso aos equipamentos fotovoltaicos têm impulsionado a popularização da energia solar. Entre os novos nichos relacionados à área, cresce consideravelmente a relação entre energia solar e arquitetura.

Certamente, o final do ano de 2012 foi um marco para o avanço da energia solar no Brasil, pois as soluções on-grid passaram a ser uma opção para os consumidores gerarem sua própria energia. Com isso, cresceu paralelamente a busca por projetos arquitetônicos com soluções solares inclusas, assim como a consideração do tema em reformas. Consequentemente, os arquitetos atentos a estes movimentos têm aproveitado o mercado aquecido e a alta procura por profissionais que considerem energia solar nos projetos.

De 2012 até hoje, o número de sistemas instalados apresenta um crescimento admirável. Em 2015, eram pouco mais de 1.800 geradores solares domésticos. Neste mesmo ano, a Aneel ampliou os descontos na conta de consumo, tornando a solução ainda mais vantajosa. Em junho de 2018, o salto foi enorme e o País chegou a um total de mais de 33 mil instalações. Além da redução na conta de consumo, o retorno do investimento em médio e longo prazo é outro forte apelo financeiro das soluções solares. Juntando isso à queda no custo dos equipamentos e aos incentivos e as linhas de crédito, a aceleração tenha sido notória.

Além do avanço específico do segmento, a discussão sobre sustentabilidade é outro fator que ratifica o estreitamento da relação entre arquitetura e energia solar. A arquitetura sustentável é uma área em ascensão. Logo, atenção à otimização do uso de recursos naturais e redução dos impactos ambientais tanto na fase de construção quanto no uso das edificações é prioridade. Aliás, entre os princípios da arquitetura sustentável, destaca-se a redução do consumo de energia para aquecimento, refrigeração, iluminação e outros equipamentos, cobrindo o resto da demanda com fontes de energia renováveis. Conexão nítida com a energia solar.

Conhece BIPV?

Como dica final, você sabia que a energia solar aplicada à arquitetura não precisa ficar restrita aos painéis acima dos em telhados? Os Sistemas Fotovoltaicos Integrados aos Edifícios, em inglês BIPV – Building-Integrated Photovoltaics, podem ser integrados à estrutura do imóvel. Eles continuam a ser um sistema on-grid (conectado à rede), mas têm a vantagem adicional de também servirem como parte estrutural da construção. Há possibilidades de aplicação com tecnologia de filme fino, que pode ser usado em fachadas e têm o benefício de proteger o interior dos raios do sol. Ou ainda, como os painéis double glass ou bifaciais, que podem ser usados para substituir telhados e coberturas.

0 Comments