O que é Gestão Ambiental?

Talvez você tenha lido ou ouvido falar a respeito de Gestão Ambiental no contexto de novas profissões. É bastante comum associar o termo à criação da graduação na área, que costuma ser apontada com uma carreira promissora e com alta procura por profissionais. Em linhas gerais, Gestão Ambiental é um sistema administrativo com ênfase em sustentabilidade. A área engloba práticas e metodologias que visam a redução do impacto ambiental das atividades econômicas e empresariais.

Cada vez mais, discute-se as consequências do uso descontrolado e não consciente de recursos naturais. Neste sentido, a Gestão Ambiental é um reflexo da necessidade crescente de repensar a relação homem e meio ambiente, principalmente sobre os aspectos que envolvem impactos, sustentabilidade e garantia de recursos para futuras gerações. Como explicado acima, o segmento tem relação estreita com indústrias e empresas, uma vez que visa conciliar economia, meio ambiente e sociedade. Ou seja, a área dedica-se a preservação da natureza, mas tem foco real no desenvolvimento de negócios conscientes.

Entre as premissas básicas da Gestão Ambiental, destaca-se a exploração sustentável de recursos naturais, que consequentemente é atrelada à priorização do uso de fontes renováveis e limpas. As atividades da área são bastante amplas e abrangem itens como: preservação da biodiversidade, descarte correto do lixo, adoção de sistemas de reciclagem, métodos menos poluentes, redução do consumo de água e energia, etc. Neste texto, daremos enfoque ao uso de soluções solares como alternativa alinhada aos direcionamentos de uma gestão eficiente e ambientalmente consciente.

Gestão Ambiental e Energia Solar.

Já ressaltamos diversas vezes que a energia solar é uma opção com diversos benefícios: renovável, limpa e viável para localidades remotas. Mesmo existindo impactos negativos no desenvolvimento de sistemas fotovoltaicos de médio e grande porte, estes são bastante reduzidos quando comparados com outras fontes de energia e, principalmente, quando contrapostos aos impactos positivos das soluções.

Aliás, mesmo os impactos negativos – alterações paisagísticas, movimentos de máquinas, pessoas e veículos durante a instalação, geração de resíduos (também durante a instalação) e perda de cobertura vegetal – podem ser gerenciados para que sejam reduzidos. Na contrapartida, os impactos positivos vão além da energia renovável e estendem-se à geração de emprego e renda, crescimento da economia local e, é claro, melhoria da fonte energética.

Apesar da Gestão Ambiental ser um assunto administrativo, vale reconhecer como a área interfere na vida de todos. Quanto mais empresas incluem a Gestão Ambiental nas diretrizes do negócio, melhor para toda a sociedade. Afinal, o avanço de políticas e métodos conscientes representa a manutenção do meio ambiente como benefício para todos nós.

0 Comments